quarta-feira, 11 de agosto de 2010

"Estatuinha"

Estatuinha

Se a mão livre do negro
Tocar na argila
O que é que vai nascer?
Vai nascer pote pra gente beber
Nasce panela pra gente comer
Nasce vasilha, nasce parede
Nasce estatuinha bonita de se ver
Se a mão livre do negro
Tocar na onça
O que é que vai nascer?
Vai nascer pele pra cobrir nossas vergonhas
Nasce tapete pra cobrir o nosso chão
Nasce caminha para cobrir nosso ialê
E atabaque pra se ter onde bater
Se a mão livre do negro
Tocar na palmeira
O que é que vai nascer?
Nasce choupana pra gente morar
E nasce a rede pra gente embalar
Nascem as esteiras pra gente deitar
Nascem os abanos pra gente abanar
Pra gente abanar, pra gente abanar


Estatuinha (Edu Lobo & Guarnieri) - Edu Lobo(1965)
clique aqui!

Estatuinha (Edu Lobo & Guarnieri) - Elis Regina(1966)

Estatuinha (Edu Lobo & Guarnieri) - Ilana Volcov(2010)

Estatuinha (Edu Lobo & Guarnieri) - Iris Salvagnini & Marilia Medalha

video


A CANÇÃO CONTADA

O clima político da época favoreceu o desenvolvimento de espetáculos teatrais que objetivavam a popularização de uma cultura engajada e nacionalista como resposta ao Golpe Militar. Nos espetáculos musicais, como aqueles produzidos pelo Teatro de Arena de São Paulo, nos anos de 1960, a música unificava o debate estético e o ideológico, reforçando o nacional-popular como caminho para a resistência. Em Arena Conta Zumbi, a música de Edu Lobo foi de suma importância para enriquecer o texto de Boal e Guarnieri. Zumbi utiliza-se de vários gêneros musicais para representar brancos (hinos patrióticos ou iê-iê-iê) e negros (sambas e batuques).

A música enquanto discurso sonoro é produto de um contexto histórico, pois, o compositor capta através de sua arte as tensões vivenciadas pela sociedade tornando-a um veículo para exposição de idéias. Neste contexto, o Teatro de Arena, através de seus idealizadores, estreitou a relação entre cultura e poder, sendo a música concebida como um elemento para uso político. Essa arte atuaria no sentido de contribuir para tornar as condições favoráveis à tomada do poder, por meio da conscientização popular.

Para o Teatro de Arena, a música constitui um meio para a formação de uma consciência coletiva, na medida em que age como facilitadora da comunicação, onde música e letra expressam o mesmo sentimento; de outro modo, o discurso verbal ao ser reafirmado por ela, favorece a reflexão sobre determinada conjuntura histórica. Nesse sentido, emZumbi a música de Edu Lobo foi composta dentro de uma tessitura (conjunto de notas que podem ser emitidas por uma voz ou um instrumento) que favorece o canto coletivo, conseqüentemente a assimilação da letra.

Trecho extraído de "Arena conta Zumbi: a canção enganjada no teatro", de MARIA APARECIDA PEPPE.

Nesse contexto entrou a canção "Estatuinha", aqui com Marília Medalha, numa remontagem da peça:

http://www.youtube.com/watch?v=LszFZd_aLOo



3 comentários:

Qual delas? disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mell Borges disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.