quinta-feira, 12 de novembro de 2009

"Na subida do morro"

Na subida do morro

Na subida do morro me contaram
Que você bateu na minha nêga
Isso não é direito
Bater numa mulher
Que não é sua
Deixou a nêga quase nua
No meio da rua
A nêga quase que virou presunto
Eu não gostei daquele assunto
Hoje venho resolvido
Vou lhe mandar para a cidade
De pé junto
Vou lhe tornar em um defunto

Você mesmo sabe
Que eu já fui um malandro malvado
Somente estou regenerado
Cheio de malícia
Dei trabalho à polícia
Prá cachorro
Dei até no dono do morro
Mas nunca abusei
De uma mulher
Que fosse de um amigo
Agora me zanguei consigo
Hoje venho animado
A lhe deixar todo cortado
Vou dar-lhe um castigo
Meto-lhe o aço no abdômen
E tiro fora o seu umbigo

Aí meti-lhe o aço, hum! Quando ele ia caindo disse:
- Morangueira você me feriu!
Eu então disse-lhe:
- É claro, você me desrespeitou, mexeu com a minha
nega.
- Você sabe quem em casa de vagabundo malandro não
pede emprego.
- Como é que você vem com xavecada, está armado; eu
quero é ver gordura que a banha está cara.

Aí meti a mão lá na duana, na peixeira, é porque eu
sou de Pernambuco, cidade pequena, porém decente,
peguei o Vargolino pelo abdome,
desci pelo duodeno, vesícula biliar e fiz-lhe uma
trepagem; ele caiu, bum
todo ensangüentado;

E as senhoras como sempre nervosas:
- Meu Deus esse homem morre, moço.
- Coitado olha aí está se esvaindo em sangue;
- Ora minha senhora, dê-lhe óleo canforado,
penicilina, estreptomicina crebiose, hidrazida e até
vacina Saibe;

Mas o homem já estava frio; Agora o malandro que é
malandro não denuncia o outro, espera para tirar a
forra. Então diz o malandro:

Vocês não se afobem
Que o homem dessa vez
Não vai morrer
Se ele voltar dou prá valer
Vocês botem terra nesse sangue
Não é guerra, é brincadeira
Vou desguiando na carreira
A justa já vem
E vocês digam
Que estou me aprontando
Enquanto eu vou me desguiando
Vocês vão ao distrito
Ao delerusca se desculpando
Foi um malandro apaixonado
Que acabou se suicidando.


Na subida do morro (Moreira da Silva & Ribeiro Cunha) - Moreira da Silva ao vivo(1973)
clique aqui!

Na subida do morro (Moreira da Silva & Ribeiro Cunha) - Moreira da Silva(1951)

Na subida do morro (Moreira da Silva & Ribeiro Cunha) - Moreira da Silva & Ney Matogrosso

video


A CANÇÃO CONTADA

O texto abaixo foi extraído do blog "Macacofonia":

E o breque do meio da semana é hoje com samba de “Kid Morengueira”, o gatilho mais rápido do oeste, que sempre gostou de cinema e aqui aparece cantando “Na subida do morro” no filme “Maria 38″ (1960), de Watson Macedo:

video


Música adequada para um pratão de feijoada, “Na subida do morro” conta a vingança de um malandro contra outro que bateu em sua mulher: Aí meti a mão lá na duana, na peixeira (…), peguei o Vargolino pelo abdome, desci pelo duodeno, vesícula biliar e fiz-lhe uma tubagem; ele caiu, bum!, todo ensangüentado.

Vendo o número musical isolado do filme, a cena é meio bizarra, com Moreira gingando e detalhando sua “cirurgia” no rival, enquanto os espectadores fumam e conversam impassíveis à malemolência morenguesca.

De sobremesa, um pudim: a gravação que Jards Macalé fez da mesma música, em “Macalé canta Moreira” (2001), seu disco-homenagem ao inventor do samba de breque, com participação de Zeca Baleiro. Tá na mesa: clique aqui!

2 comentários:

Qual delas? disse...

Esta postagem é dedicada a "Maérlio Ceará" que, como Moreira da Silva, é um genuíno artista brasileiro.

Curitiba é um copo vazio cheio de frio disse...

Totalmente excelente!!