segunda-feira, 17 de agosto de 2009

"Serra da Boa Esperanca"

Serra da Boa Esperança

Serra da Boa Esperança,
Esperança que encerra
No coração do Brasil
Um punhado de terra
No coração de quem vai,
No coração de que vem,
Serra da Boa Esperança,
Meu último bem

Parto levando saudades,
Saudades deixando,
Murchas, caídas na serra,
Bem perto de Deus
Oh, minha serra,
Eis a hora do adeus
Vou-me enbora
Deixo a luz do olhar
No teu luar
Adeus!

Levo na minha cantiga
A imagem da serra
Sei que Jesus não castiga
Um poeta que erra
Nós, os poetas, erramos
Porque rimamos, também
Os nossos olhos nos olhos
De alguém que não vem

Serra da Boa Esperança,
Não tenhas receio,
Hei de guardar tua imagem
Com a graça de Deus!
Oh, minha serra,
Eis a hora do adeus,
Vou-me embora
Deixo a luz do olhar
No teu olhar
Adeus!


Serra da Boa Esperanca (Lamartine Babo) - Elizeth Cardoso & Silvio Caldas(1971)
clique aqui!

Serra da Boa Esperanca (Lamartine Babo) - Tete Espindola & Alzira Espindola(1998)

Serra da Boa Esperanca (Lamartine Babo) - Claudette Ferraz ao vivo(2008)



A CANÇÃO CONTADA

“Serra da Boa Esperança” é um samba-canção de 1937, composto por Lamartine Babo(1904-1963). Tanto a letra quanto a melodia foram compostas por Lamartine e é um exemplo bem expressivo de sua arte, em que o poeta e o compositor se igualam em competência e bom gosto.

Alguns poucos estudiosos dão crédito também a Carlos Neto (letra) na autoria da canção.

No início da década de 30 Lamartine Babo recebeu um carta da jovem Nair Oliveira Pimenta, uma mineira de Dores da Boa Esperança. Iniciou-se então um interesse mútuo e, com o passar do tempo, a troca de correspondências cresceu entre Lalá (apelido de Lamartine) e Nair. Juras de amor e poemas salpicavam a correspondência dos missivistas. Lamartine não agüentou a ansiedade e foi conhecer quem era sua musa sul mineira. Chegando à cidade, o susto. Nair era uma menina de 6 anos de idade.

Quem escrevera tais cartas então?

O dentista Carlos Alves Neto, irmão (existem referências que o colocam como tio) de Nair, assumiu: era ele quem mandava as cartas. Lalá sorriu amarelo, como quem mastigou pimenta achando que era pitanga, mas ficou na cidade e conheceu melhor Carlos Neto. Tornaram-se grandes amigos e há quem acredite que algo mais ali se passava ao ler as cartas que trocaram depois do ocorrido (“Sei que Jesus não castiga um poeta que erra”). A música começou a ser composta em Boa Esperança e veio a fazer grande sucesso nas vozes de Chico Viola (Francisco Alves) clique aqui! e Silvio Caldas.

Uma outra versão diz que a carta inicial pedia fotografias para um álbum de recordações. Lalá mandou as fotos e se correspondeu por um ano com a “fã apaixonada”, até que esta interrompeu as cartas porque iria se casar. Convidado, tempos depois, para ir à Boa Esperança por um dentista, Lalá se apressa para conhecer Nair - surpresa, não existia nenhuma Nair. Quem lhe escrevia era o próprio dentista, que colecionava fotos de celebridades, e viu essa forma como a única de conseguir o queria.

Um inspirado samba-canção, "Serra da Boa Esperança" mostrou-se propício a interpretações renovadoras, especialmente com criativas mudanças harmônicas, como a versão instrumental que lhe deram César Camargo Mariano e Wagner Tiso, em 1983, e a vocal de Eduardo Dusek, em 1984 clique aqui!, num reverente resgate.

Esteve presente na trilha sonora do filme “Cinema, Aspirinas e Urubus” (2005- Francisco Alves) e da novela “Éramos Seis (1977- Elizeth Cardoso e Silvio Caldas).

Extraído do site "Museu da Canção".


Um comentário:

Alvaro disse...

Legal saber que meu material está sendo usado para pesquisas. Estamos fazendo uma boa tabelinha pois sempre estou por aqui "pegando" raridades! Tudo em nome da MPB. Abração!